Contactos para espectáculos

Contactos para espectáculos
CONTACTOS PARA ESPECTÁCULOS

segunda-feira, 10 de maio de 2010

"A morte da Mariquinhas"

Autora: Maria Manuela Mota
*
Sem amigos e sem pão
Lá morreu a Mariquinhas
Dizem que foi no caixão
Feito só com tabuínhas

Num quarto escuro, fechado
Sem cortinas nas janelas
Em noite negra sem estrelas
Sem guitarras e sem fado
Num silêncio bem magoado
Há choros no Capelão
E um ou outro coração
Já recorda cheio de dôr
A que morreu sem amor
Sem amigos e sem pão

De todo o lado veio gente
Que se aperta e se atropela
Pois toda a gente quer vê-la
De rosto frio e ausente
Mas com ela, isso é diferente
Não se riam as vizinhas!
Altiva como as raínhas
Lenços e fitas agarra
E abraçada a uma guitarra
Lá morreu a Mariquinhas

Deixou escrito em testamento
Lido de alto p'las vizinhas
Que a guitarra e as tabuínhas
Seu espólio de momento
Queria este seguimento:
A guitarra ali á mão
E as tábuas no coração
Coisa um bocado bizarra
Mas o certo é que a guitarra
Dizem que foi no caixão

E chegou a madrugada
Com toda a gente na rua
Havia uns restos de lua
E de noite mal passada
Mas foi data assinalada!
Pois qual bando de andorinhas
As colegas e as vizinhas
Com o luto no coração
Transportavam o caixão
Feito só com tabuínhas

A Marcha da Mouraria, tem o seu quê de bairrista...

Photobucket

Noite de Santo António em Lisboa

Photobucket

Photobucket

Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket

Photobucket